sábado, 15 de outubro de 2011

Crónica e Análise: Pêro Pinheiro 0 – FC Porto 8

1 – Crónica

FC Porto Goleou Pêro Pinheiro

O Pêro Pinheiro recebeu esta tarde o FC Porto no estádio Pardal Monteiro em partida a contar para a terceira eliminatória da Taça de Portugal. No final do encontro verificou-se a vitória dos dragões por 0-8.

O FC Porto entrou em campo um tanto ou quanto remodelado, nota para as estreias absolutas de Alex Sandro e de Iturbe. O Pêro Pinheiro entrou em campo cheio de boa vontade e tentou ir a luta, para isso o objectivo era retardar ao máximo o primeiro golo portista. E o objectivo foi cumprido até meio da primeira parte, depois começou o festival azul e branco. Primeiro foi Defour, depois Walter, outra vez Walter, seguiu-se Djalma e novamente Walter. Com o marcador nos cinco chegou o intervalo. No segundo tempo o FC Porto continuou a fazer o seu jogo, embora em ritmo um pouco mais baixo. O sexto golo foi da autoria de Djalma, seguiu-se o golo de Varela e Walter fechou as contas do jogo fixando o resultado nos 0-8.

Com esta vitória o FC Porto segue para a próxima fase da prova, defendendo o troféu conquistado na época passada.

2 – Análise

O FC Porto cumpriu a missão, ganhou o jogo e mais do que isso terá ganho jogadores que tiveram oportunidade de ser titulares esta tarde. Gostei do jogo, gostei da estreia de Iturbe, se bem que julgo que o jovem jogador argentino terá tido dificuldades com o relvado, além de ter sido substituído ao intervalo devido a lesão – espero que não seja nada de grave. Alex Sandro também estreou-se, mas creio que este precisa de mais tempo para se adaptar à forma de jogar em Portugal e do FC Porto. Um jogo realizado num relvado sintético, que segundo dizem os especialistas jogar num relvado sintético não é o mesmo que jogar num relvado normal, pois o sintético implica mais esforço. Ainda assim os portistas adaptaram-se e marcaram 8 golos sem resposta. Os dragões seguem assim na defesa do título.

3 comentários:

dragao vila pouca disse...

Calor, campo e um adversário que nunca saiu muito do seu meio campo, foram tardando o golo de um F.C.Porto, lento, pouco contundente e que ia trocando a bola, tentando adaptar-se, consciente que surgindo o primeiro tudo seria mais fácil. Foi. Aos 29 minutos, numa rápida jogada de contra-ataque, Walter colocou Defour na cara do guarda-redes e o belga não perdoou. A partir daí a resistência do Pêro Pinheiro diminuiu, acabou, melhor dizendo e num espaço de seis minutos, o Campeão e Tri-vencedor da Taça de Portugal, matou o jogo, marcando mais dois golos. O segundo aos 32 de autoria de Walter, após, utilizando a terminologia da Queimada, obra prima de Belluschi, que fez tudo, colocou na cabeça do Bigorna que só teve de tocar para a baliza.

O terceiro, mais uma vez por Walter e mais uma vez, após uma belíssima jogada de ataque: Iturbe, passe a rasgar para Djalma e o angolano, muito bem, mesmo sozinho na cara de Marco Pinto, preferiu o passa para o jovem brasileiro bisar. Depois do 3 a 0 a questão era saber quantos mais golos marcaria o conjunto de Vítor Pereira. Até ao intervalo, mais dois, Djalma e Walter que fez hat trick em 45 minutos, o que é digno de registo.
Com tudo resolvido, a segunda-parte tinha apenas como motivo de interesse saber se o F.C.Porto iria continuar motivado, concentrado, à procura de mais golos ou se pelo contrário, tenderia a descomprimir, relaxar, deixar passar o tempo, sem se preocupar em aumentar a vantagem.
Foi a segunda possibilidade que vingou e o resultado foi para os números que se adivinhavam, graças a um Porto sério, profissional e competente.
Marcaram Djalma aos 57, o sexto, Varela aos 62, o sétimo e Walter fechou a conta, marcando o seu quarto golo, aos 90.
O Pêro Pinheiro é uma equipa simpática, mas muito frágil e portanto, não devemos fazer uma análise muito aprofundada aos que se estrearam, Bracali, Alex Sandro e Iturbe, Kadú, nem aos que já tendo jogado, o fizeram em poucas ocasiões, Mangala, Defour e Djalma.

Assim, nada a dizer sobre a exibição dos guarda-redes que não tiveram quase nada que fazer.
Gostei de Alex Sandro, que vale o que vale, me pareceu melhor para a frente que atrás, mas tem qualidade.
Iturbe: talvez se esperasse mais e até esteve desaparecido durante perto de 30 minutos, mas despertou nos últimos 15 minutos finais e mesmo tendo em conta o campo, o pouco espaço para jogar e ser o primeiro jogo, mostrou um pouco da grande qualidade que o transformaram num jovem muito badalado e pretendido - espero que a lesão não seja nada de grave.
Gostei tem muito de Mangala. Forte no despique, rápido, com um belo pé esquerdo e sabe sair a jogar. Precisa de algum tempo, não muito, para ser dono de um lugar no centro da defesa.
Defour: tem qualidade, sabe ocupar os lugares, jogar e até marcar. Um jogador de qualidade que tem contra si o facto do F.C.Porto jogar em 4x3x3 e os seus concorrentes serem Guarín e Moutinho.
Djalma: esteve muito activo, marcou dois golos e mostrou serviço.

Walter: como disse anteriormente, o adversário era fraco e por isso não podemos, nem devemos, embandeirar em arco com os quatro golos que marcou. Mas o Bigorna tem coisas muito interessantese e motivado, com acabeça limpa, a jogar regularmente, acho que Walter ainda vai calar algumas más línguas. Não foi em vão que no mundial de juniores de há dois anos deu nas vistas e foi muito pretendido.

Nota final:
Recuperar e preparar bem a Champions, o jogo com o Apoel - não há Walter, vai ter de haver Kléber - onde as responsabilidades são maiores e as dificuldades serão muitas.

beijinhos

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem apesar do adversário ser de divisão secundária, os jogadores do FC Porto tiveram uma atitude séria, respeitaram o adversário, e com um futebol positivo conseguiram com naturalidade golear o Pêro Pinheiro.

Os jogadores que menos jogam, tais como Djalma, Alex Sandro, Defour, Iturbe e Mangala mostraram ao seu treinador que pode contar com eles.

O FC Porto cumpriu a sua obrigação e impôs o seu poderio.

Nota positiva para o fairplay dentro do campo e para a festa dos nossos adeptos que coloriram a festa.
Nota negativa para alguns benfiquistas que foram assistir ao jogo para insultar alguns atletas, como é o caso de Cebola.

Agora venha a Liga dos Campeões. Temos de vencer para aspirar seguir em frente.

Abraço e bom domingo

Paulo

pronunciadodragao.blogspot.com

Gaspar Ribeiro Lança disse...

Não se esperavam muitas dificuldades no concelho de Sintra e assim foi, num jogo que apenas serviu para ficarmos a conhecer um pouco melhor nos novos jogadores.

Vitória conseguida, há que seguir em frente e focar a concentração no jogo com o Apoel, que se adivinha complicado.

Gaspar