sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Declarações de Pinto da Costa e a Notícia da Saída de Vítor Pereira



Na Quarta o Presidente Pinto da Costa proferiu as seguintes declarações acerca da arbitragem nacional:

““HÁ COISAS INCOMPREENSÍVEIS NA ARBITRAGEM”
Presidente do FC Porto confessou ainda que suspeitava que João Capela fosse nomeado para o jogo com o Belenenses
Jorge Nuno Pinto da Costa considera “incompreensível” o facto de dois dos três elementos que compõem a Comissão de Nomeações do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol se absterem nas reuniões por não concordarem com a forma como a arbitragem tem sido gerida. Em declarações à margem do evento que serviu de “tiro de partida” à “Peace Run”, o presidente do FC Porto confessou ainda que já esperava que João Capela fosse o árbitro nomeado para o jogo com o Belenenses, marcado para domingo, às 19h15 no Estádio do Restelo.
Pinto da Costa defende que a forma como os árbitros têm sido nomeados não favorece o bom ambiente no futebol português. “Há coisas incompreensíveis. Há duas semanas, fui recebido pelo Conselho de Arbitragem para esclarecer determinadas questões e fui surpreendido com o facto de haver uma Comissão de Nomeações, formada por três membros - o senhor Vítor Pereira, o senhor Luis Guilherme e o senhor Lucílio Baptista -, sendo que em todas as reuniões dessa comissão, o senhor Luis Guilherme e o senhor Lucílio Baptista se abstêm, porque não estão de acordo com a forma como está a ser gerida a arbitragem, nomeadamente pelo senhor Ferreira Nunes, de Coimbra, que é quem controla as classificações dos observadores. E assim cairmos na situação ridícula em que o árbitro escolhido para a final da Taça de Portugal do ano passado tenha depois descido de divisão”.
Desafiado a comentar a nomeação de João Capela para o Belenenses-FC Porto, da 24.ª jornada da Liga NOS, o líder portista garantiu não ter ficado surpreendido: “Acho graça, porque quando me perguntaram quem é que achava que seria o árbitro do jogo em Belém, eu disse que era o João Capela ou o Nuno Almeida e, pelos
vistos, o meu palpite estava certo”.”

Em

Alguém consegue explicar-me como é que a Comissão de Nomeações, formada por três membros, dos quais dois abstém-se por não concordarem com o sistema da arbitragem, funciona? É que se de três elementos, um é a minoria e dois a maioria, como é que a minoria pode decidir? É, coisas estranhas próprias deste futebol português.
Entretanto ontem soube-se que Vítor Pereira, o dos árbitros, vai sair no final do mandato. Já vai tarde, digo eu. Acho que deve haver, hoje, muita gente preocupada com a notícia desta saída… e não será, por certo, ninguém do FC Porto…
Espera-se, então, que com a saída do senhor Vítor Pereira, que o sistema da arbitragem mude, ou pelo menos, que seja mais claro…



3 comentários:

Pinto Felgueiras disse...

Pinto da Costa tem razão e tem mas é de lutar mais, não se deixando solenciar.
Isto está a bater no fundo. Tanto que em Portugal são nomeações ad hoc, por um só e com dois a abster-se, enquanto a arbitragem está entregue a homens de talhos, tascas e capelas...
Armando Pinto

amonteiro39 disse...

Olá!

Bom tema abordado o da arbitragem. Infelizmente dada a força da imprensa desportiva lisboeta afecta aos dois grandes da segunda circular, antevejo grandes dificuldades para tornarem o sistema da arbitragem mais claro e isento de colinhos...!

Abraço Portista,
Armando Monteiro
www.dragaoatentoiii.wordpress.com

PS - Rescaldo do jogo com o Borussia
Eu próprio devido ao meu sistema nervoso dormi mal... Mas pensei melhor e resignei-me porque reconheci que com o actual plantel era difícil fazer melhor... Citas Jesus Corona e Brahimi... Pois, na minha opinião estes dois mais o Aboubakar parece-me estarem a atravessar uma fase menos boa, relativamente em baixo de forma, ou seja, a 50 ou 60% do seu rendimento normal. Depois defrontamos-nos com a lesão do Indi e com o facto da FC Porto-Futebol, SAD não ter em devido tempo acautelado o défice que tínhamos dum central de categoria, ao nível do exigível para jogar nos Dragões. Relativamente ao Marega e Suk, na minha opinião, vale o que vale, são dois elementos promissores que ainda estão na fase de adaptação ao Clube e ao futebol da equipa. Possivelmente só renderão o máximo na próxima época.
Além de que também temos de reconhecer que o Borussia é uma equipa fortíssima recheada de grandes jogadores e que o ritmo do seu futebol é mais elevado do que o praticado pelo FC Porto. Praticam um tipo de futebol mais físico do que o português, com maior capacidade de choque. A mim impressionou-me, acima de tudo, a disponibilidade deles para correrem (autenticas cavalgadas) os 90 minutos do jogo sempre em alto ritmo. De notar que dada a velocidade dos seus jogadores, o Borussia impôs o seu ritmo de jogo, fez circular a bola entre todos os seus elementos como quis e raramente os dragões tiveram pernas para interceptarem/impedirem o seu (deles) futebol. Conclusão: com o actual plantel e com os actuais métodos de treino o FC Porto só com muita sorte conseguirá bons resultados nas provas (internacionais) europeias... É a triste realidade das nossas possibilidades actuais...

Ana Andrade disse...

Caro Pinto Felgueiras,
Completamente de acordo…

Caro Armando Monteiro,
Pois, não será tarefa fácil a de tornar “o sistema da arbitragem mais claro e isento de colinhos”, mas vamos ver o que acontece…

Quanto ao seu PS, completamente de acordo…

Cumprimentos aos dois

Ana Andrade