sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Crónica e Análise: FC Porto 3 – Gil Vicente 1

1 – Crónica

De Bola Parada Também Se Ganham Jogos

No início de noite desta Sexta-Feira, FC Porto e Gil Vicente defrontaram-se no Estádio do Dragão, em partida a contar para a segunda jornada da Liga. No final do encontro verificou-se a vitória dos dragões por 3-1.

Com o mercado de transferências ainda aberto, e o futuro de alguns jogadores incerto, o FC Porto recebeu o Gil Vicente, que na jornada inaugural havia conquistado um ponto perante o Benfica, por essa razão os de Barcelos entraram em campo com a moral em alta. E começaram bem, já que começaram a ganhar. Aos dois minutos - certamente que ainda havia muitos adeptos à espera para entrar no estádio – o Gil Vicente beneficiou de uma grande penalidade. Sapunaru perdeu a bola, otamendi cometeu falta no interior da área e o árbitro assinalou o consequente castigo máximo que João Vilela converteu. O FC Porto não estava numa situação confortável, estava a perder no início do jogo com um adversário motivado e acomulava uma ansiedade sem limites. Mas o empate surgiria instantes depois, aos dez minutos e também através de uma grande penalidade. Uma grande penalidade que Hulk sofreu e que o próprio converteu. Com o empate restabelecido o FC Porto procurou o golo da tranquilidade que viria a surgir instantes depois, ao minuto dezasseis, também de bola parada, desta vez um canto, Sapunaru concretizou-o de cabeça. Mesmo a vencer o FC Porto não tranquilizou e o Gil Vicente, com calma, foi fazendo o seu jogo e várias vezes esteve próximo do empate. No segundo tempo o FC Porto decidiu deixar a ansiedade no balneário. E o Terceiro tento apareceu, mais uma vez de bola parada, agora de livre que João Moutinho cobrou, o médio

2 – Análise

Ai Porto, há que ter calma, há que ter muita calma. O jogo não foi fácil, tal como eu esperava. E não foi fácil porque o Gil Vicente tem uma boa equipa, que vinha super motivada. Para além disso o FC Porto jogou o primeiro tempo numa ansiedade que não ajudou nada. Terá essa ansiedade alguma coisa a ver com a saída de Falcao? Não sei, talvez sim, talvez não, o que eu sei é que na próxima semana os jogadores não podem facilitar, a defesa tem de estar concentrada, porque o Barça não brinca em serviço. Mas isso fica para depois, agora este jogo. Foi mais uma vitória, mas sem brilho quase nenhum. O segundo tempo foi um pouco melhor que o primeiro, e por isso gostei um pouco mais da segunda parte que da primeira. Acredito que o FC Porto vai estabilizar com o fecho do mercado e que nessa altura as ideias do treinador já vão ser postas em prática. Mais uma vez o melhor foi o resultado e a consequente soma dos três pontos.

Notas:

Bem Hulk, o Brasileiro marcou dois golos e mais uma vez, na minha opinião, levou a equipa às costas.

Não tão bem Varela, precisa de estar mais concentrado.

Muito bem o público do Dragão a apoiar sempre a equipa, mesmo com um jogo fraquinho.

Muito bem Vítor Pereira na resposta a Jorge Jesus!

4 comentários:

dragao vila pouca disse...

As equipas crescem a ganhar.

Mesmo quando, como foi o caso de hoje, a exibição ficou muito abaixo dos mínimos que se exigem e se esperam, de uma equipa com as responsabilidades da equipa portista.
Entrando trapalhão, complicativo, errando e perdendo a bola em fase de transição, o que que deixava a equipa desequilibrada e à mercê dos contra-ataques de um Gil Vicente atrevido e a jogar bem, o F.C.Porto onde há gente que parece jogar com o telemóvel no bolso, ficou cedo a perder e mesmo depois de dar a volta, Hulk de penalty e Sapunaru em canto de Hulk, nunca foi mandão, nunca controlou e se foi para o intervalo a ganhar, foi porque a equipa de Barcelos desperdiçou, pelo menos um golo feito.
Na etapa complementar a equipa de Vítor Pereira melhorou, mas não muito.

Apesar de ter conseguido o 3-1 cedo e com essa vantagem, poder gerir de outra forma o jogo, voltamos a não encontrar as melhores soluções, a perder bolas fáceis, a ser poucos esclarecidos e discernidos na construção e se de vez em quando colocavamos o Gil em situações de perigo, era sempre através de Hulk, que mesmo não estando ainda na melhor condição física, é o único capaz de dar safanões no jogo e deixar as defesas em pânico.
Ganhamos e como disse no título do post, as equipas crescem a ganhar e nesta altura, em que as indefinições ainda são muitas, ainda não há conjunto, boa ocupação dos espaços, preenchimentos correctos entre linhas e boa condição física, conquistar os três pontos é fundamental. Permite encarar o futuro com alguma tranquilidade, até porque o próximo jogo para o campeonato, não me canso de dizer, o principal objectivo da época, já é em Setembro e aí quem cá fica, de boa ou má cara, já sabe que tem de dar o litro e ter a "tola" no lugar, caso contrário tem dois prejuízos: não joga, se não joga não brilha e sem brilho, nem ao F.C.Porto interessa.

O melhor e decisivo, foi Hulk. Dois golos e uma assistência, numa exibição boa, apesar e como referi, o Incrível ainda não estar na planitude da sua condição física.
Os mais fraquinhos, foram Sapunaru, apesar do golo e porque cometeu vários erros primários e Varela, que teve variadíssimas situações de um para um, nunca desequilibrou e nas poucas vezes que o conseguiu, o cruzamento saiu quase sempre mal.
Que se passa com o Drogba da Caparica?

Notas finais:
Cerca de 44 mil espectadores, uma excelente moldura humana e que nunca regateou apoio.

Ao ouvir o treinador do Gil Vicente, depois do que ouvi de Manuel Machado e do bronco que treina o Benfica - tem direito a um capítulo à parte -, fiquei com uma certeza: é permitido derrubar jogadores dentro da área... Até ao dia que um árbitro não marcar um lance desses a favor dos citados, aí o discurso vai mudar, ai se não vai!

Disseram a um bronco para falar do penalty marcado a favor do F.C.Porto no domingo passado. O bronco falou, mas como bronco é bronco ou entra mosca ou sai asneira. Saiu asneira e o bronco, ao querer tocar no mérito da vitória portista, teve a resposta, forte, contundente, onde mais lhe toca, no ego. Vítor Pereira lembrou ao bronco que o F.C.Porto ganhou com um penalty que só ele e o amigo Machado não viram, mas em contrapartida o clube que o bronco treina, empatou um jogo que devia ter perdido se João Ferreira e o Ferrari tivessem, como deviam, ter invalidado o primeiro golo do clube do regime, obtido em fora-de-jogo. Mais, ao dizer que o bronco quando ganha o mérito é dele, mas quando perde as derrotas são dos jogadores, o treinador do Campeão passou a mensagem que é clara, conhecida de todos e a razão pela qual o clube da freguesia de Benfica teve de fazer uma limpeza no balneário: a grande maioria dos jogadores já não podiam olhar para a cara do mister chiclete.

Abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Estávamos avisados para a qualidade do onze de Barcelos, nomeadamente Hugo Vieira, mas Sapuranu completamente a "dormir", com um perda de bola infantil permite que o gilista se isole, obrigando Otamendi a cometer falta para grande penalidade, que lhe poderia também ter custado a expulsão. O Gil Vicente chegou assim à vantagem logo aos 3 minutos.

Os cerca de 44 mil no Dragão, após a conversão da grande penalidade, em constante apoio, empurraram uma equipa nervosa, trapalhona, e incapaz de criar oportunidades de golo, para a reviravolta no marcador ainda na primeira parte.

Primeiro de penálti, a punir uma falta sobre Hulk e depois de canto, com o incrível a colocar com conta peso e medida a bola na cabeça de Sapunaru que não perdoou.

Após a reviravolta no marcador, pensei que o FC Porto fosse acordar para o jogo, mas não, continuavam os disparates, o nervosismo, e o Gil Vicente criou pelo menos duas oportunidades para levar o jogo empatado para o intervalo.

Na segunda parte, foi mais do mesmo, e só Hulk tranquilizou as bancadas ao fuzilar de livre a baliza gilista.

Até ao apito final, foi um jogo entediante, que só Djalma e Belluschi sacudiram.

Quanto à performance dos jogadores, os mais lúcidos foram claramente Helton, que tentava motivar os 4 da sua frente, e Hulk o melhor em campo. Nota de realce também para Otamendi.


Resumindo, após a semana conturbada com as saídas de Falcao e Ruben, e do alegado interesse em Moutinho e Alvaro, a equipa ressentiu-se, entrando nervosa e trapalhona.
Valeu Hulk que em plena época de caça "matou" o galo com aquele balázio de livre que tranquilizou as bancadas e companheiros de equipa.

Nota de realce para o muito público que marcou presença no Dragão, e que após o penalti foi importante no empurrar da equipa para a reviravolta, embora fossem escusados os assobios a Varela.


Temos de melhorar em termos mentais, e para tal é necessário que o mais rapidamente possível esteja definido o plantel 2011/2012.

Na próxima sexta-feira diante do Barcelona, não podemos ter a atitude de ontem sob pena de sermos cilindrados

Boa semana
Paulo

pronunciadodragao.blogspot.com

Gaspar Ribeiro Lança disse...

Não seria um jogo fácil e a equipa de Barcelos confirmou isso logo nos primeiros minutos. Tinha a lição bem estudada e as posições acertadas, mas conseguimos mais uma vez contrariar e ultrapassar as oposições e acabámos por sair do Dragão com um resultado positivo, apesar de uma exibição algo murcha - onde apesar de tudo já se notaram melhorias, especialmente na segunda parte.

Agora resta-nos continuar a trabalhar e preparar da melhor maneira o jogo com o Bercelona.

Gaspar

P. Ungaro disse...

Boas,

O jogo não foi um primor futebolistico, a equipa ainda está "perra", não podemos esquecer que estamos a começar e com os jogos o entrosamento vai acontecer e a qualidade do futebol tambem.
O que realmente interessa são 2 jogos 6 pontos !!!

Um abraço e bom fim de semana

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/